sábado, 28 de maio de 2011

" MEDO DE CRIANÇA"

Como posso olhar para as “crianças” dessa imagem e sentir pena, chamar de coitados, de abandonados, de largados neste mundo a própria sorte, entregues ao vício, a malandragem, se o que mais sinto é medo?

Medo sim de ver essas “crianças” te cercarem chamando de tia e, com a maior normalidade, te espetarem uma gilete nas costas e levarem a sua bolsa, seu relógio - não importa – que levem tudo, mas que me deixem em paz.

Como posso chamar de criança a essas criaturas que agem como adultos e a maestria dos mais perigosos dos marginais?

Como posso chamar de criança a esses pequenos seres que vendem a própria alma por um pedaço de “veneno” que os destrói a cada dia?

Desculpem se as palavras que aqui escrevo possam estar parecendo que sou uma mulher fria, cruel, injusta e com um coração de pedra, mas não sou. Sou uma mulher sensível, justa, amiga, super mãe e esposa que foi educada nos princípios que primam pelo amor ao próximo, pela educação e respeito às crianças e aos mais velhos.

Uma educação que não me preparou para criar defesas contra a marginalidade que foi surgindo e usando como armas as inocentes crianças que hoje transbordam as ruas e assombram a todos.

Educados para um mundo que hoje não existe mais e agredidos por uma violência que não sabemos nos defender. Violência essa que nos leva, sem mais nem menos, a sermos acometidos pelo “medo” em forma de síndrome que surge sem pedir.

Com muito amor da família, apoio médico e psicológico vamos aprendendo a controlar, a conviver, a nos defender, a evitar, mas “ele” continua mesmo que pequenino, continua em forma de sombra em nossa vida.

Como gostaria muito de ter a solução para abraçar essas “crianças” e transformá-las em crianças de verdade que pudessem ter uma família para amar, um lar para morar, uma escola para estudar, amigos para brincar e crescerem vendo um mundo cheio de vida e cores mostrando a sua frente um grandioso futuro.

Gostaria muito, mas essa solução não pode partir da vontade de um cidadão indefeso, e mesmo de um grupo despreparado. Existem muitas comunidades que hoje atuam num lindo trabalho de recuperação, mas poucos são os que conseguem se salvar.

Muitos trabalhos que começam a ser feito desde cedo nas escolas, nas comunidades tem já dado um resultado melhor ocupando os menores com atividades esportivas, educacionais, enfim procurando aliviar um pouco essa triste realidade.


Irene Moreira
6ª Edição Sentimento
texto já postado anteriormente
imagem Net

8 comentários:

  1. Foste fundo nesse tema e realmente temos MEDO dessas "crianças"... Uma pena isso, mas elas não tem penas de ninguém...beijos,lindo domingo,chica

    ResponderExcluir
  2. Irene, pouco adiante podar uma "árvore podre" para que ela cresça saudável, há a necessidade do cuidado desde a semente. Penso que estamos tão preocupados conosco mesmo, num egoísmo desenfreado que esquecemos dos outros. Deixo o meu afeto.

    ResponderExcluir
  3. É complicado, pois eles nem sabe o que é medo...e para nós que não sabemos o que eles são, é medo...
    Paz e bem

    ResponderExcluir
  4. Irene, sem estudo, lazer, conhecimento de um sentimento religioso (sem religião, apenas acreditar numa força criadora de tudo e de todos) eles não serão nada mais que marginais, mesmo.
    A família, principal doutrinadora, se perdeu e hoje eles não têm nunhuma referência de autoridade em suas vidas, nem sabem quem é o pai, a mãe é muitas vezes apenas 15 anos mais velha que eles...Que vida é essa?
    Nossa realidade é de assustar, sim! Infelizmente.
    Beijo!

    ResponderExcluir
  5. Oi Irene

    É difícil mesmo não ter medo quando algo nos assusta tanto.
    Estou com meu filho mais novo em tratamento por causa de 3 assaltos seguidos. No último, um pivete que não tinha mais que 10 anos encostou uma arma nas costas dele e em dois depois de roubá-lo, colocaram o revólver na testa dele porque ele sem querer olhou o rosto dele.
    Quando ele tenta dormir, lembra das balas no tambor da arma.
    E assim eu também fico aqui desesperada, pois ele precisa trabalhar.
    As famílias destroçadas, o descaso do governo contribuem para que a coisa piore muito.
    Há quem tente ajudar, mas é preciso uma grande base para conseguir.
    Sinto muito.

    Bjs no coração!

    Nilce

    ResponderExcluir
  6. É uma realidade muito difícil e triste de aceitar.
    O que estão fazendo com nossas crianças? :((

    Um belo texto, parabéns pelo selo.

    bjinhos

    Nina

    ResponderExcluir
  7. Seu texto me surpreendeu de verdade. E eu uma menina pequena, me peguei nessa sua fidelidade aos pensamentos, a sua coêrencia. Claro que me fez pensar muito e até me deu um pouco de medo ou desconforto, não sei. Mas eu gostei muito do seu texto.
    Abs, da moderadora do projeto Suas Palavras.

    ResponderExcluir
  8. Há sempre um inverno por escrever
    Uma página por virar
    Um amor por esquecer
    Um olhar pra se encontrar...

    Márcia C Lio M

    Feliz semana e meu beijo à todos! M@ria

    ResponderExcluir

Instagram

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails