sexta-feira, 25 de fevereiro de 2011

"PALMADA DE AMOR NÃO DÓI "

Com início do ano letivo e vendo o movimento das crianças e jovens alegres pelas ruas, tagarelando nos ônibus, na maior algazarra na entrada e saída das escolas a cidade passa a ter um novo colorido depois da tranquilidade das férias.

Olhando isso tudo começo a pensar na arte de educar que nos tempos de hoje não é fácil para os pais. Quando me perguntam como educar e falam que são a favor de uma boa surra respondo que hoje muita coisa mudou em relação a criança e o  jovem de antigamente.

Sou favor do projeto de lei para proibir a prática de castigos físicos em crianças e adolescentes. Quando se fala em "castigos físicos" não podemos comparar ao fato de uma criança levar uma palmada por ter feito alguma coisa errada.
 
Falar sobre a minha infância e de como fui educada é muito gratificante, pois sou da época onde “palmada de amor não dói”. A Educação que recebi de meus pais tinha regras e obrigações a serem cumpridas e, apesar disso tudo, gostaria de ressaltar que havia uma grande amor e respeito não só por eles como pelos mais velhos. Esse respeito, no mundo de hoje, são valores que pouco se ressalta na educação e se refletem na cultura do povo onde deparamos com várias situações que muitas vezes nos revoltam. Sou de um tempo que havia a conversa, o diálogo que nos orientava o que era certo e errado e quantas vezes vislumbrados pelos colegas, pela própria euforia da idade, saíamos da linha, e aí, não havia conversa, era castigo na certa e claro que em certas ocasiões não conseguia escapar daquela “palmada de amor”. Esse tipo de educação nos moldes antigos considero válida e isso não pode ser comparado a maltratos e a castigos físicos. Considero uma educação caracaterizada por limites rígidos e dizer “não” aos filhos não era visto como prejudicial. 


Falando da educação dos filhos nos tempos atuais, os pais assoberbados pelas tarefas profissionais ou mesmo domésticas, tendem a passar menos tempo com os seus filhos e, frequentemente, delegam a responsabilidade de sua educação a terceiros, como a própria escola. Outros, tem tempo para seus filhos, porém, não sabem como gerenciar as dificuldades e nem estabelecer os seus limites.

Atualmente procuramos dar aos nossos filhos uma educação fazendo certas concessões movidos talvez pelo sentimento de “culpa” pelo pouco tempo dispendido a eles que podem desfavorecer o aprendizado de regras culturais e morais importantes.

Muitas mães se perguntam como educar os filhos corretamente, qual será a “fórmula mágica” para cuidar de uma criança, cuidar de sua educação e fazer com que ela cresça dentro da sociedade como um exemplo de criança. Não existe mágica para educar um filho pois acima de tudo ele é um ser humano, tem vontade própria e o que a mãe deve fazer é mostrar a ele como agir corretamente. Mostrar os dois lados do mundo, o lado certo e o lado errado e instrui-lo parara que siga sempre o caminho correto.

Ensinar a diferença que existe entre a verdade e a mentira, procurar sempre responder as suas curiosidades não escondendo nenhum fato ou notícia dele e se for algo muito grave procure esclarecer de forma suscinta sem muitos detalhes, mas nunca esconder ou mentir, fala sobre todos os assuntos sempre com muita naturalidade, porque dessa forma ele já vai se adequando às realidades da vida. Lembrando sempre que a melhor forma de educar o seu filho nos dias atuais é utilizar sempre o diálogo, nunca usar da agressão e também nunca deixar faltar a verdade para com ele e na frente dele, maus exemplos geram pessoas más.

Uma boa comunicação familiar permite que os pais conheçam melhor seus filhos dando-lhes condições para ajudá-los. Devem fazê-los refletir numa conversa aberta, perguntando e explicando-lhes as causas e problemas, fazendo com que eles mesmos procurem as próprias soluções e tomem decisões para que cresçam e ganhem responsabilidade.

"A educação é a arma mais poderosa que você pode usar para mudar o mundo."
(Nelson Mandela)
Fontes:
Imagens google
Pesquisas
:

Guiabrasilblog
Portal da familia
Rede Psi artigo da psicologa Maria ester

20 comentários:

  1. eu não era uma má criança, mas era arteiro demais hahaha e tomei minhas palmadas. mas não eram dadas pra doer, eram advertências...e nem por isso cresci traumatizado, me tornei drogado sei lá mais o que.

    violência nunca, educar sempre, é isso ai!

    ResponderExcluir
  2. Apesar de nunca nos ter batido,o nosso Pai soube dizer "não" na altura certa.Às vezes...até de mais.
    Foi mt rigoroso...Mas a Mãe compensava,sem desautorizar,claro.
    Beijo.
    isa.

    ResponderExcluir
  3. Irene nem me fale nessa educação de hoje, pois sou altamente crítica com a forma dos pais ocupadíssimos cuidarem de seus filhos no máximo de tempo que cuidam deles, que é quase nenhum.
    Os que podem enchem seus filhos de presentinhos e os que não podem, por falta de paciência e escassez de tempo, acabam por baterem nas "pobres" crianças.
    No meu tempo, bastava um olhar e a gente(eu e meus irmãos), já sabia que aquilo era uma punição.
    Mas nos tempos atuais, as crianças revidam, são mal criadas e normalmente fica por isso mesmo.
    Mas acho também que não adianta dar tempo se não houver qualidade na educação de casa.

    Grande post.

    Bom dia

    Xeros

    ResponderExcluir
  4. Irene
    Lá em casa meus pais não foram severos demais mas havia castigo e poucas palmadas.
    Mas em Varginha eles fundaram a escola de pais que existe até hoje.
    Acho que hoje em dia está precisando fazer o que voce fez agora
    Contar a sua experiencia e mostrar a importancia de educar bem.
    Um lugar de dialogo para que os pais possas aprender.
    Mas cade o tempo?
    Muitos não tem tempo nem de acordar o filho. Ou faze-lo dormir.
    Como viver sem uma autoridade por perto?
    com carinho MOnica

    ResponderExcluir
  5. OLA,

    "A educação é a arma mais poderosa que você pode usar para mudar o mundo."
    (Nelson Mandela)

    concordo com isso, e verdade!

    Para educar es mejor explicar que pegar para entender y hacer comprender

    feliz fim de semana

    abraço

    ResponderExcluir
  6. Pois é os meus pais à sua maneira
    "muito conservadora" me limitaram
    muito...e hoje me pergunto, se
    poderia ter sido diferente do que
    sou, se os meus pais me tivessem
    deixado voar um pouco mais...
    Mas, sabe, já não os tenho e tenho
    muitas saudades deles.
    Beijinho
    Irene

    ResponderExcluir
  7. Um excelente final de semana,com boas energias,saúde,paz e luz!Obrigada pelo carinho.
    bjs,
    Mari

    ResponderExcluir
  8. Querida maninha Irene!

    Ando com as visitas atrasadas, todas. Desculpa.

    Há pouco tempo atrás publiquei um texto que abordava este tema e de forma aproximada.
    Naturalmente que ambas pensamos da mesma maneira, somo fruto da mesma geração, a nossa educação foi idêntica e temos uma visão, em tudo muito semelhante, de todos os assuntos.

    A única diferença, é que lá em casa haviam castigos, mas nunca palmadas.
    Haviam palavras duras que faziam chorar muito mais do que palmadas e havia vergonha, coisa que se perdeu.

    Felizmente criei um filho único, que todos dizem ser muito difícil não o estragar com demasiados mimos, de uma forma correcta, assim penso e o sei. A prova está na vida que ele decidiu tomar nas suas próprias mãos, tão jovem e se fez um homem de bem.

    Para o ajudar a crescer bem, passei eu a ser mãe a tempo inteiro na fase em que ele tinha 12 anos de idade.
    Nunca me arrependerei desta decisão.

    Muito bom mesmo o teu texto.
    Dou-te 20 valores :)

    E um BEIJÃO enorme cheio de saudades.

    ResponderExcluir
  9. Eu apanhei bastante e mais do que deveria, mas já foi e concordo com tudo o que escreveu no texto e só acresentaria a paciência. Os pais hoje em dia parecem achar que alamuma vez e pronto. A criança aprende. E sabemos que são inumeras vezes e que educar é um trabalho de ininita paciência e atenção.
    beijos

    ResponderExcluir
  10. Minha querida Irene, maninha linda!

    Volto para te dizer que estou a estranhar a tua ausência.
    Está tudo bem?

    Deves ter estado a curtir uma praia gostosa :)

    Beijão

    ResponderExcluir
  11. Olá Irene, depois de um tempão ausente estou retornando com endereço novo. Excluí os blogues zipnet pois tive muitos problemas com a formatação.

    Bom, sobre o tema do post, sou contra qualquer palmada, por mais leve que seja. Não funciona nos dias de hoje. Só deixa as crianças mais agressivas e revoltadas. Funcionava antigamente, pois a educação era na base do medo e da intimidação. O que vejo hoje é a ausência dos pais e os filhos cada vez mais soltos. Não tenho filhos. Talvez por isso eu desconheça as dificuldades maiores que os pais enfrentam.

    Amiga Irena, um beijo. Seu Mamyrene divino!

    ResponderExcluir
  12. Bom dia querida Maninha Irene!

    Agora fico mais descansada. Obrigada.
    Não te esfalfes, vai com calma.
    Ti fazes sempre tudo num ápice ... és mestra, uma real expert.

    Beijos doces.

    ResponderExcluir
  13. Minha Querida Amiga Irene,
    Adorei e li de um folego este seu lindo e sério post. Ao le-lo recordei muito da minha educação recebida de meus Pais que igualmente procurei transmitir a meus Filhos. Julgo que consegui apesar dos tempos actuais serem bem diferentes dos nossos! Nunca devemos esquecer que "a educação é a arma mais poderosa que você pode usar para mudar o mundo", tal com diz Nelson Mandela, que tão bem a usou para ganhar a sua guerra...
    Bem haja por este seu post!
    Um grande e muito amigo beijinho.

    ResponderExcluir
  14. Minha querida

    Agradecendo a visita e deixando um beijinho com carinho.

    Sonhadora

    ResponderExcluir
  15. Lindo tema! Levei boas palmadas e estou aqui,integra. Não me fizeram mal.Colocaram limites...beijos,lindo dia, que bom te ver! chica

    ResponderExcluir
  16. Olha, eu fui tudo, menos uma memnina comportada. nunca tomei uma surra sem aviso prévio, ou melhhor, vários avisos, mas era muito arteira msmo. Apanhei um bocado e tô aqui vivinha. Não enlouqueci, não me tornei bandida ou drogada nem me suicidei. hoje tenho o pensamento de que é nossa responsabilidade fazer o que for necessário para a educação do filhos. você fala, adverte, chama a atenção, castiga e não deu jeito, o jeito é pdar umas palmadas mesmo!

    ResponderExcluir
  17. Minha amiga querida, Irene

    Já fui ao outro lado e agora qui, está tudo meio parado!!!
    É por ser Carnaval???

    Olha que eu vou ao baile amamhã à noite :)

    Ou vou de Chinesa, ou de Vampira Gótica ou ainda e mais certamente de dama da corte :)))
    A minha irmão trouxe-me 5 fatos para escolher, mas 2 eu recusei logo.
    Faltam-me uns sapatos decentes... altos e lindos.
    Ainda não me decidi porque está frio e não me apetece estar no despe e veste :))))

    Tenho que te dizer um "segredo", mas aqui não dá.
    Abre o MSN, Tá?

    Beijo maninha linda
    Adore-te

    ResponderExcluir
  18. Minha Querida
    Tambem fui educada nessa escola, de compreensão e muito amor e passei para o meu filho esse sentido de respeito pelos pais que só pretendem a sua felicidade.
    Hoje, pensa-se que dar tudo, fazer todas as vontades isso sim é que é amor...Será? Ou antes um grande ataque de egoismo?...

    Dar educação
    É tambem saber ralhar!
    E não dar um avião
    e o aeroporto para aterrar!


    Beijo muito carinhoso.
    Graça

    ResponderExcluir
  19. Sonhos dormem, mas não se evaporam
    Não possuem natureza volátil,
    Criam raízes onde moram
    E, caso encontrem um ramo de esperança,
    Não se permitem sepultar.

    Regina Xavier

    BOM FDS e BEIJOS MEUS! M@ria

    ResponderExcluir
  20. Olá, querida
    To mais pra avó que mima e que a filha "repreende"... mas, no fundo no fundo... todos nos entendemos... concordo com o que diz... também dei minhas "palmadas de amor" mas agora passou a época e o meu conversar com os netinhos é recheado de carinho... eles me entendem e o diálogo acontece...
    Oferecerei um Retiro de Domingo à Terça em meu Blog... é tempo de reflexão!!!
    Seja muito feliz e abençoada!!
    Bjs de paz

    ResponderExcluir

Instagram

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails