domingo, 26 de junho de 2011

" O REENCONTRO "


João estava parado olhando para sua esposa que acabara de descer do trem que a trouxera de Londres. Estava na estação a sua espera em companhia do filho José com quem ficara após a partida de Maria.

A guerra os separara e ficaram anos se procurando. João tinha encontrado o filho uns meses depois que os alemães tomaram a Áustria.  Deixou-o aos cuidados dos pais enquanto foi obrigado a se alistar e combater na guerra.

Anos se passaram e finalmente  estavam novamente juntos. Maria olhava o filho agora com sete anos e seus olhos estavam cheios de lágrimas de tanta emoção e alegria. Conseguira resistir às saudades vivendo das lembranças de seu filho ainda bebê e de seu marido. O amor conseguira sobreviver a esse tempo todo.

José já não era aquele bebê pequenino, havia crescido se transformado num belo menino de cabelos loiros. Estava muito parecido com o pai.

Ainda sentia seu coração apertado quando lembrava o dia que os guardas  os arrancaram do vagão do trem. Foram separando as famílias sem o menor sentimento.

João estava emocionado em rever a sua amada e poder ter a família unida novamente, mas sabia que o passado havia deixado cicatrizes. Tinha que apagar essas marcas e esquecer o que antigamente havia acontecido.

Lembrara muitas vezes dos lindos momentos que viveram juntos e de como eram felizes até que o mundo fosse assolado por essa terrível guerra.

Chegou perto da esposa e disse:
- Olá Maria como vai? Você está linda como sempre.

Maria levou a mão à boca e com o rosto corado, olhou para ele e respondeu:
- João, meu amor, como estou feliz em estar aqui. José está tão lindo. Será que se lembra de mim? Sabe quem eu sou?

João respondeu que sim e indo ao seu encontro a beijou e saíram os três abraçados a caminho de casa. Sabiam que o tempo se encarregaria de trazer de volta os momentos em que eram felizes.


10ª Edição Sentimento
Tema: Paciência
ism_rs
Significado da palavra Paciência retirado daqui
Virtude que faz suportar com resignação a maldade, as injúrias, as importunações etc.
Perseverança, constância.
Nome de certo jogo de cartas.
Perder a paciência, começar a não poder mais esperar, suportar ou procurar.
Revestir-se de paciência, esperar com calma.

8 comentários:

  1. Olá, querida Irene
    O tema paciência foi muito bem desenvolvido com a história que nos contou... Haja paciência para esperar tanto a mãe e isso aconteceu com muitas e será que não acontece???
    Bjs de paz e excelente semana.

    ResponderExcluir
  2. Um lindo conto de amor, exemplo dos muitos que, infelizmente sucederam durante a Segunda Guerra Mundial.
    Que bom que este teve um final feliz... Nem todos tiveram a mesma sorte...

    Uma semana cheia de Luz.
    Beijinhos

    ResponderExcluir
  3. Gosto muito de ler o que escreve, sabe disso, não é?

    Uma semana abençoada, ainda mais que teremos aniversário \o/

    beijosss

    ResponderExcluir
  4. Escreve com muita emoção.
    beijos

    ResponderExcluir
  5. Bom Dia!!!

    Criei um novo cantinho que sempre tive vontade...um espaço voltado somente para coisas de Deus..se quiser siga, visite...ok!

    Meu novo blog
    http://reina-em-mim.blogspot.com/

    bjosss

    ResponderExcluir
  6. Olá,Irene!!

    Ah!Ter paciência para esperar durante tantos anos o reencontro, é também uma esperança que ajuda a manter a pessoa viva!!Lindo e terno seu conto!
    Beijos pra ti!

    ResponderExcluir
  7. Irene,que conto mais comovente e belíssimo!É preciso paciencia e muito amor para suportar essa distancia!Lindo demais!Bjs,

    ResponderExcluir
  8. Irene
    Ainda bem que este conto de amor termina bem!
    com carinho MOnica

    ResponderExcluir

Instagram

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails