sábado, 14 de agosto de 2010

"A ESTAÇÃO"


Sem saber que rumo seguir ele estava ali naquela estação de metrô, de mãos dadas com seu único filho, com o coração aos prantos e esmagado de tanta que era a dor que sentia naquele momento.

A tristeza tomara conta dele ao saber da perda de seu grande amor que não resistira à maligna doença. Doença de tamanha força que se alastrara cruelmente levando a mulher da sua vida, o ser que mais amara, deste mundo para sempre.

Procurava ser forte para que seu filho não percebesse o quanto estava sofrendo por não poder ver mais a sua mãe. Sabia que ele, apesar de tão pequenino, estava um pouco assustado e ainda não conseguia entender porque o anjinho da guarda teve que levá-la tão depressa.

Agora tinha a dupla responsabilidade de ser pai e mãe daquele que foi o fruto de seu amor, o único elo que ficou como prova viva para lembrar eternamente da linda esposa.

Ainda meio atordoado por todos os procedimentos que teve que estar à frente, avisando aos parentes, cuidando do velório, do enterro, parecia estar saindo daquele pesadelo e clareando as suas idéias.

Juntando todas as suas forças foi retornando a realidade e havia decidido passar um tempo na casa de seus pais. Havia pedido uma licença no trabalho e agora queria organizar a sua vida, mas na certeza de viver sempre ao lado de seu filho. Seus pais moravam a quatro estações de sua casa e precisava muito da orientação, do apoio e do carinho deles.

Sabia que com o tempo a vida voltaria a sua rotina de sempre, mas só que agora não teria mais a sua deusa lhe esperando de braços abertos, toda sorridente, ficaria ali somente a sua lembrança. Teria sim o seu filho lhe esperando em casa precisando da sua ajuda, do seu apoio, do seu amor e isso levaria a sério enquanto vivesse. Faria de seu filho um homem íntegro, responsável, certo e justo em suas atitudes, ajudando a trilhar os seus caminhos na busca de suas conquistas, de seu espaço neste mundo. Sabe que chegará o dia em que ele seguirá sua própria vida, percorrendo seus caminhos, fazendo suas escolhas, construindo sua própria família e então o seu pai perceberá que nada do que viveu foi em vão, que conseguiu transmitir sua essência, cumpriu sua missão e cabe agora a ele prosseguir.

Assim é a vida ela nos prepara várias armadilhas, umas conseguimos escapar e outras estão marcadas e traçadas em nosso destino. Amparados pelos ensinamentos de nossos pais conseguimos seguir em frente cumprindo a nossa missão que passará de gerações em gerações.

*Escrito por Irene Moreira*

Participação para a 28a. Edição Visual do Projeto Bloínquês
É a primeira participação da M@myrene neste projeto. Sempre tive vontade, mas os prazos não coincidem com o meu tempo disponível e pode ser até que não o aceitem,mas mesmo assim já foi gratificante.

"O mundo é uma escola necessária a todos nós e a matrícula quem faz é papai do céu.
A matéria predileta nós a escolhemos, todavia não podemos deixar de passar por todas as provas."  (Nrmauric)

Imagens google

5 comentários:

  1. Tomara que aceitem pois tua participação foi linda, como sempre e mostra que tudo vale a pena,mesmo que na~hora assim não se pense...beijos,tudo de bom,boa sorte!chica

    ResponderExcluir
  2. Parabéns pelo texto. A vida, seus difíceis momentos, mas que com amor podemos somar forças e buscar a superação. Abraço/ney.

    ResponderExcluir
  3. Que texto maravilhoso querida amiga. Torcendo para que aceitem sua participação. O texto traz uma mensagem linda, que a vida nos prega peça, mas podemos passar por essa peça facilmente tirando dela uma grande lição!
    Beijos Irene, um ótimo final de semana a vc!

    ResponderExcluir
  4. Olá Irene,
    Um conto bastante reflexivo, penso que já aceitam e vc já esta participando, parabéns amiga,

    Bom domingo,

    Forte abraço com muitas bençãos.

    ResponderExcluir
  5. ... em resumo :
    TUDO MUITO LINDO

    aos olhos
    de
    ÁSdeAMOR
    http://jorgedasneves.com > AMOR

    ResponderExcluir

Instagram

LinkWithin

Related Posts with Thumbnails